Homo subalternus: dialogismo e representação social no teatro brasilero contemporâneo

Enedino, Wagner Corsino
General

Ancorando-se nas contribuições de Palottini (1989), Ryngaert (1996), Pavis (1999) e Rosenfeld (1993) acerca do discurso teatral; nos critérios propostos por Prado (1972) ampliadas pelos estudos de Spivak (1985, 1988), Beverley (2004), Achugar (2006), Mignolo (2003) e Moreiras (2001) sobre o conceito de subalternidade e nos pressupostos teóricos de Lins (1988) no que se refere ao conceito de violência, o objetivo deste trabalho é analisar a peça Dois perdidos numa noite suja, de Plínio Marcos, focalizando o locus em que se constituem as personagens e a aproximação do texto pliniano com o conto O terror de Roma, do autor italiano Alberto Moravia presente. Dessa forma, demonstrar-se-á a existência de invariantes que estruturam o projeto estético de ambos os autores, ou seja, serão ressaltadas as ligações entre os artifícios discursivos e a ideologia subjacente de cada personagem. O estudo será predominantemente intrínseco, centrado na exploração do texto como forma e estrutura, sem abandonar a temática da subalternidade e do poder, bem como seus vínculos sociológicos, usando como parâmetro o caráter de signos ideológicos circunscritos nas obras.